9 passos para elaborar um contrato de vesting eficaz

Por Julia Campos
Warning: Undefined variable $post in /srv/pris.com.br/www/painelpris/wp-content/plugins/code-snippets/php/snippet-ops.php(582) : eval()'d code on line 32Warning: Attempt to read property "ID" on null in /srv/pris.com.br/www/painelpris/wp-content/plugins/code-snippets/php/snippet-ops.php(582) : eval()'d code on line 32 6 minutos de leitura
contrato-de-vesting

Um contrato de vesting bem elaborado é fundamental para o sucesso de um Incentivo de Longo Prazo. No documento são listados fatores de extrema importância para as regras do programa adotado pela empresa. Por isso, é tão decisivo que a criação do vesting seja bem-feita e acompanhada de perto.

Ao prosseguir com a leitura, você entenderá melhor a relevância do contrato de vesting e verá nove dicas para elaborar um documento claro e eficiente.

Saiba qual é a importância do contrato de vesting

O contrato de vesting é um documento assinado pela pessoa beneficiária e pela empresa assim que acontece a adesão do plano de Incentivo de Longo Prazo.

O documento é essencial para o entendimento total do funcionamento do programa de ILP e do que a pessoa colaboradora tem de direito e o que deverá cumprir para receber o incentivo.

Existem condições de vesting ligadas ao tempo de permanência na companhia. Por exemplo, o contrato pode apontar que a pessoa colaboradora poderá adquirir 25% do equity ofertado a cada ano de permanência na empresa. 

Neste caso, a pessoa colaboradora precisará permanecer na empresa durante quatro anos para comprar a quantidade total de ações a que tem direito.

O contrato de vesting é relacionado ao tempo mínimo de permanência na empresa para resgatar o incentivo financeiro e, por isso, é usado como sinônimo de “prazo de carência”. No entanto, podem existir condições de vesting relacionadas a outros fatores. É o caso das condições de performance para que a compra das ações ou o ingresso no programa de ILP seja viabilizada.

Portanto, o contrato de vesting é uma das bases dos Incentivos de Longo Prazo, independentemente do modelo adotado pela companhia. 

Veja 9 passos para elaborar um contrato de vesting eficaz

Sendo o contrato de vesting tão importante para os rumos que um ILP pode tomar, é preciso estruturar muito bem sua elaboração. Quanto mais completo o documento for, melhor para a empresa e para as pessoas beneficiárias. A seguir, confira nove passos para elaborar um contrato de vesting eficaz.

1. Defina os termos fundamentais

Um dos primeiros passos ao elaborar um contrato de vesting deve ser listar quem são as pessoas que participarão do acordo — fundadores, investidores, pessoas colaboradoras que receberão ações sujeitas ao contrato.

Também é necessário especificar quanto do equity será distribuído pelo ILP, ou seja, quantas ações serão disponibilizadas a cada rodada de outorga. Estes são termos fundamentais do contrato de vesting.

2. Estabeleça a carência (vesting) e o período de aquisição

O contrato de vesting deve especificar o período que as pessoas beneficiárias devem se manter na empresa para ter direito à adquirir as ações. É importante lembrar que, no caso de Incentivos de Longo Prazo, o período mínimo para a aquisição é de um ano.

O documento deve, também, descrever como as ações poderão ser adquiridas ao longo do período de carência. É possível implantar um cronograma linear, no qual uma porcentagem igual de ações é adquirida a cada mês ou ano, ou um cronograma em degraus, no qual as ações são adquiridas após cumpridas condições pré-acordadas.

3. Especifique as condições de cliff

É importante constar no contrato de vesting se haverá um período de carência mínimo, também chamado de cliff, antes que qualquer ação possa ser adquirida. É possível estabelecer um período de carência mínimo, desde que seja igual ou maior do que um ano.

4. Esclareça as condições de desligamento

No vesting deve constar, ainda, as condições em que o ILP pode ser ser cancelado, como:

  • venda, fusão, aquisição da empresa;
  • demissão ativa ou passiva;
  • objetivos do plano não alcançados, entre outros

5. Documente os detalhes financeiros

No contrato de vesting deve estar determinado e esclarecido o valor nominal das ações sujeitas ao documento e como seu valor será calculado ao longo do tempo, além de demais informações financeiras relevantes.

6 . Registre o acordo por escrito

É bom reforçar que todas as informações referentes ao vesting devem estar no contrato de forma clara e mais completa possível. Além disso, todas as partes devem assinar o documento. 

Torna-se interessante contar com o auxílio de um advogado ou especialista em Direito Empresarial para garantir que o contrato esteja em conformidade com a legislação vigente.

7. Considere cláusulas de não concorrência

Em alguns casos, é aconselhável incluir cláusulas de não concorrência para evitar que as pessoas beneficiárias busquem oportunidades em empresas concorrentes enquanto estiverem sujeitas ao vesting.

8. Faça revisões periódicas

É importante que o contrato de vesting seja revisado periodicamente para que se faça o alinhamento necessário às eventuais mudanças na empresa ou aos novos objetivos estratégicos designados.

9. Considere a contratação de uma empresa especializada

O contrato de vesting reúne as condições de performance ou de tempo para ter acesso às ações ofertadas pelo ILP e marcos temporais para esse resgate.

Por ser um contrato que viabiliza a aquisição de ações da empresa, ou do valor monetário correspondente ao montante em ações ou opções, que possui consequências trabalhistas, tributárias e contábeis. Logo, o ideal é que o contrato de vesting seja elaborado com auxílio profissional de uma empresa como a Pris. Essa ajuda especializada pode evitar problemas futuros.

Um plano mal desenhado pode trazer mais prejuízos que benefícios. Por isso, os cuidados e despesas com a elaboração de um contrato de vesting devem ser vistos como um investimento.

A equipe da Pris tem expertise no assunto e já ajudou centenas de empresas, de diferentes portes e segmentos, a desenhar, implementar e gerir seus planos de Incentivo de Longo Prazo.

Saiba mais sobre o assunto!

Neste artigo, você conheceu a relevância que o contrato de vesting tem para um Incentivo de Longo Prazo e viu 9 dicas para elaborar um documento eficaz e seguro. Além dessas dicas dadas anteriormente, não se esqueça de comunicar com clareza os pontos mais relevantes do contrato às pessoas beneficiárias.

A Pris é especialista em Incentivos de Longo Prazo e pode ajudar sua empresa a elaborar um contrato de vesting sólido, seguro e eficaz. Entre em contato conosco e saiba como podemos colaborar!

Sobre o Autor
Julia Campos é analista de Marketing de Conteúdo da Pris. Cursa MBA em Gestão de Pessoas pela USP/Esalq e é bacharel em Jornalismo e Publicidade e Propaganda pela UniAcademia. Tem experiência em marketing, produção jornalística, de conteúdo e assessoria de imprensa. Atua como produtora de conteúdo de temas como Remuneração Variável.

Artigos Relacionados

5 passos para fazer a gestão de remuneração em uma empresa

Realizar uma boa gestão de remuneração é fundamental para o sucesso do plano de Incentivo de Longo Prazo. No entanto,...

Entenda por que é importante fazer a gestão de incentivos

A adoção de um Incentivo de Longo Prazo é um passo muito importante para a empresa. O ILP ajuda a...

Uso de tecnologia no RH: Como funciona um software de gestão de ILP

0O uso de tecnologia no RH é amplo e impacta não só a rotina da área, mas de uma empresa...

homeenvelopephone-handset