Aqui você encontra todas as nossas publicações


Pesquisa 2019/2020 sobre Gestão de Incentivos de Longo Prazo – Contabilização

Pesquisa ILP capa 5

A nova edição da pesquisa sobre Gestão de Incentivos de Longo Prazo no Brasil foi lançada, e na presente seção falaremos sobre Contabilização dos Planos. Já publicamos as partes 1, 2, 3 e 4 da pesquisa, que você pode conferir. Os interessados em adquirir a pesquisa completa, que permite a visualização dos gráficos e análises completas, podem fazê-lo em nosso site.

Contabilização

Um dos temas mais complexos dentro do universo de ILP é o de contabilização dos planos de ILP. Além disso, a partir do momento em que a outorga é feita, a empresa já deve começar a contabilizá-lo em seu balanço e resultados. A norma CPC 10, uma tradução da norma internacional IFRS 2, trata justamente deste ponto. Porém, muitos termos e formas de contabilização ainda são fontes de dúvidas no momento de contabilização dos planos pelas empresas.

De acordo com as normas contábeis é importante que as despesas sejam contabilizadas ao longo do período de vesting de cada lote. Ou seja, mesmo que sejam outorgados vários lotes com diferentes períodos de carência (o que, aliás, é bastante comum), cada lote vai seguir um período específico de apropriação das despesas. A contabilização que talvez gere mais dúvidas é a de planos de opções. A norma define a utilização do valor justo (fair value) como método de calcular as despesas deste tipo de plano. O ideal, segundo a norma, seria utilizar o valor de mercado do ativo outorgado. Porém, como opções não são negociadas na Bolsa de valores, a norma prevê que neste caso o valor seja estimado através de métodos de cálculos, cujas abordagens mais utilizadas são: Black & Scholes, Binomial e Simulação Monte Carlo. Tratam-se de modelos matemáticos com graus de complexidade diferentes (depende da quantidade de cenários que consegue simular). Abaixo encontra-se uma tabela que sintetiza as características destes 3 modelos:

Quadro pesquisa - contabilização

Nesta pesquisa, podemos observar que há um método substantivamente mais utilizado para o cálculo de fair value. Existem empresas que possuem mais de um plano ILP e utilizam diferentes métodos de cálculo para os programas. Por isso a soma das porcentagens é maior que 100%.

calculo-fair-values-opcoes-2 (1)
*Para acessar o gráfico com todos os dados, entre em contato e adquira a versão completa da pesquisa.

Já para planos de ações, a norma define, no item 16, que o valor justo das ações é definido baseando-se nos preços de mercado se disponíveis, levando em consideração os termos e condições sob os quais os instrumentos patrimoniais foram outorgados. Desta forma, em planos desta natureza, as empresas devem usar o próprio valor da ação como referência ou, se o pagamento é feito com base em alguma média de pregões, seguir a mesma metodologia para contabilizar. 

Próximo texto

No próximo post trataremos da questão da Gestão dos Planos de ILP. Lembramos que o texto apresentado acima é um excerto da versão gratuita e resumida da pesquisa. Para adquirir o material completo basta clicar no link.

Sobre o Autor

Laura Vianna é analista de negócios da Pris. É mestre em Administração na linha de Marketing, Estratégia e Inovação pela UFMG, e graduada em Engenharia de Produção também pela UFMG. Trabalha com Incentivos de Longo Prazo desde 2017, especialmente no suporte e desenvolvimento do Options Report, primeiro software de Gestão de ILP da América Latina, e consultorias relacionadas ao tema.



Gostaria de um tema específico?

Gosta de escrever?