Aqui você encontra todas as nossas publicações


Como tratar Planos de ILP durante a Crise – Programas vigentes (parte 1)

Programas Vigentes 1 de 2

Recentemente publicamos o artigo Planos de Incentivos de Longo Prazo em Tempos de Crise, no qual falamos sobre a preocupação das empresas em relação aos planos de ILP na crise gerada pela pandemia da COVID-19. Essa preocupação está ligada à queda brusca sofrida pelas ações da maior parte das empresas e, consequentemente, à perda de valor dos planos de ILP. 

Em virtude da importância do tema, do aprofundamento da crise ao redor do mundo e no Brasil, e da expertise da Pris na área de Incentivos de Longo Prazo, decidimos desenvolver uma análise mais robusta e profunda sobre a relação entre a crise da COVID-19 e Planos de ILP.

Nesse material discutimos sobre os objetivos do plano, como a retenção e o alinhamento de interesses, e como esses objetivos são impactados pela crise.

O propósito do conteúdo é, portanto, complementar a discussão iniciada na nossa última publicação e, para tanto, ele será dividido nas seguintes partes:

  • Programas Vigentes
    • 1ª parte: Sugestão de um framework de análise dos planos para ILP vigentes
    • 2ª parte: Avaliação das possíveis ações a serem tomadas pelas empresas no momento
  • Novos Programas
    • 3ª parte: Explicação sobre como analisar os impactos da crise em novas outorgas
    • 4ª parte: Análise das Estratégias de resposta aos desafios da crise

No primeiro post trataremos das possibilidade de análise dos planos vigentes. Fique atento aos próximos 3 posts, com os conteúdos complementares.

Framework de análise de planos vigentes de ILP

Dado o contexto atual, a primeira atitude a ser tomada pelo RH das empresas que têm planos de ILP vigentes deve ser a compreensão da situação. Algumas perguntas deveriam ser feitas, como: Temos realmente um problema? Se sim, quais os programas mais afetados? Para esses programas, qual foi a queda do ganho esperado? 

Para ajudar nessa avaliação, sugerimos três passos de análise:

  1. Refletir sobre o objetivo de cada plano de ILP (por exemplo, o foco principal do plano está ligado à retenção ou ao compartilhamento de riscos/resultados com os beneficiários?)
  2. Avaliar quais são os programas mais afetados (por exemplo, quais planos têm o seu final de carência/mediação de performance próximos?)
  3. Calcular o tamanho do problema (qual é a diferença entre o target e a expectativa de ganho atual de cada programa?)

Explicaremos o racional de cada um desse passos a seguir.

1. Refletir sobre o objetivo de cada plano de ILP

Os planos de ILP normalmente estão associados a determinados objetivos da empresa, sendo os mais comuns deles a atração e a retenção de talentos, o alinhamento do interesse dos colaboradores e dos acionistas e compartilhamento de riscos e resultados positivos com a equipe.

Esses objetivos devem estar refletidos no desenho do plano, já que diferentes tipos de plano de ILP têm diferentes efeitos esperados no comportamento dos colaboradores. Por exemplo, planos baseados em ações normalmente têm um efeito maior de retenção, já que o beneficiário tem ganho mesmo que haja desvalorização do preço da ação. Por outro lado, planos de opções têm um caráter mais forte de compartilhamento de riscos e resultados, já que proporcionam ganhos mais alavancados em cenários de mais positivos, enquanto não há nenhum ganho em cenários de desvalorização.

Da mesma forma que devemos considerar os objetivos do plano no momento do desenho, eles também devem ser levados em consideração em possíveis ações a serem tomadas durante a crise. Caso o objetivo do plano seja primordialmente a retenção de talentos, a diminuição do ganho esperado pode ter grande efeito na capacidade de retenção da empresa, especialmente no caso de colaboradores que têm uma grande parcela do seu total compensation em ILP.

Por outro lado, caso o plano seja focado no atingimento de metas e compartilhamento de resultados, é natural que, em uma situação em que os acionistas da companhia tiveram grandes perdas e o atingimento dos objetivos da companhia não foram alcançados (mesmo que devido a fatores macroeconômicos), o beneficiário também não tenha os ganhos esperados.

É comum inclusive que empresas tenham mais de um plano de ILP, com a intenção balancear aspectos de retenção e objetivos de alinhamento. Assim, para cada tipo de plano, é preciso fazer uma análise individualizada sobre seu objetivo e como ele será afetado pela crise atual.

2. Avaliar quais são os programas mais afetados

Empresas que têm outorgas frequentes de ILP provavelmente terão planos vigentes com diferentes datas de final de carência e vencimento. Assim, é possível que nem todos os programas/lotes sejam afetados pela crise atual.

Os programas mais afetados são aqueles que se tornarão exercíveis ou terão a sua condição de performance medida ainda em 2020 ou no início de 2021, considerando as expectativas dos estudos sobre a retomada.

Programas que se tornarão exercíveis nos próximos anos podem ser ainda impactados pela crise. Mas, diante da incerteza do cenário futuro, recomendamos que as reflexões e ações sejam focadas naqueles planos em situação mais crítica, que estão exercíveis ou se tornarão exercíveis/expirados no curto prazo. 

3. Calcular o tamanho do problema

Como último passo, recomendamos a análise quantitativa do problema. Para isso, é preciso avaliar o delta entre o target outorgado e o atual valor dos planos. Por exemplo, imagine o seguinte cenário para um Diretor da empresa que tem um plano de Stock Options e um Plano de Ações Restritas. Considere que o valor da ação na data de outorga era R$10 e o valor atual da ação é R$5,00.

Stock Options

Data de outorga – 01/04/2017

Final da carência – 01/04/2020

Vencimento – 01/04/2021

Target outorgado em 2017: R$100.000,00 (considerando o valor justo na data de outorga)

Valor atual do plano: R$ 0 (underwater)

Ações Restritas

Data de outorga – 01/04/2017

Final da carência – 01/04/2020

Target outorgado em 2017: R$200.000,00 (considerando o valor justo na data de outorga)

Valor atual do plano: R$ 100.000,00

Resumo

Total outorgado: R$ 300.000,00

Valor atual: R$ 100.000,00

Queda no ganho esperado: R$ 200.000,00 (66%)

Nesse exemplo, houve uma queda de R$ 200.000,00 no valor do ILP, o que representa 66% do ganho esperado do Diretor. Com esse valor em mãos, a empresa conseguirá avaliar melhor o impacto que esse montante terá dentro do total compensation do beneficiário em questão e como a queda pode prejudicar a retenção desse colaborador.

Também será possível avaliar o impacto financeiro da compensação por essas perdas, caso a empresa siga por esse caminho com uma nova outorga, por exemplo (discutiremos as possíveis ações na próxima seção).

Essa análise deve ser feita para cada um dos beneficiários ou, ao menos, para grupos com outorgas e valores de total compensation semelhantes. Para os top performers, a análise deve ser ainda mais cuidadosa, já que a perda de um colaborador crucial em um momento de crise pode agravar a situação.

PRÓXIMO CONTEÚDO 

Cumpridos esses 3 passos, conseguimos ter um bom diagnóstico da situação e inclusive identificando programas e beneficiários que estão em uma situação mais crítica. Com isso, fica mais clara a avaliação das possíveis ações a serem tomadas e o impacto de cada uma delas. Esse será o tema do próximo material.

Sobre o Autor

Júlia Couto é analista de negócios da Pris. Mestre em Engenharia de Produção pela UFMG e especialista em Propriedade Intelectual pela LUISS Business School, trabalha com gestão estratégica e valoração de ativos de propriedade intelectual desde 2014. Vem participando da modelagem de negócio do Pris IP Suite, conjunto de ferramentas de gestão estratégica-operacional de ativos de PI desenvolvido pela Pris com o apoio da Fapemig.



Gostaria de um tema específico?

Gosta de escrever?